PUBLICIDADE
Saúde
Noticia de: 04 de Setembro de 2017 - 10:56
Comissão do SUS aprova revisão da Política Nacional de Atenção Básica.



 
 

Comissão do SUS aprova revisão da Política Nacional de Atenção Básica.

 
 

A CIT (Comissão Intergestores Tripartite), composta por gestores de saúde do governo federal, estados e municípios, aprovou hoje (31) a portaria de revisão da Política Nacional de Atenção Básica. Segundo o Ministério da Saúde, a nova política visa reforçar a Estratégia Saúde da Família como modelo prioritário de atendimento, mas vai ampliar o acesso a serviços e a resolutividade da atenção básica de saúde, respeitando as diferentes realidades de cada região.

 

A portaria deve ser publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União.

 

Uma das principais mudanças é a possibilidade do governo federal financiar outras equipes de atenção básica, diferente das equipes de saúde da família. Os gestores municipais poderão compor equipes de atenção básica de acordo com características e necessidades locais. A mudança englobaria as equipes que já existem e são financiadas apenas pelo município.

 

“A legislação fala em rateio das despesas do SUS [Sistema Único de Saúde]. Nós [governo federal] temos que pagar parte dessa equipe que está lá com menos profissionais porque não tem necessidade, em distritos pequenos, por exemplo. Cada gestor tem que poder flexibilizar o atendimento para ser mais resolutivo para a população. Então, vai haver a expansão do financiamento porque que todas as equipes que não eram completas serão reconhecidas e financiadas”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

Uma equipe de saúde da família é composta por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e pelo menos quatro agentes comunitários de saúde. Cada um desses profissionais deve, obrigatoriamente, cumprir carga horária de 40 horas semanais.

 

A equipe de atenção básica deverá ser composta por médico, enfermeiro e técnico de enfermagem. Cada uma dessas categorias profissionais deverá somar 40 horas semanais. Então, uma equipe poderá ser composta, por exemplo, por dois médicos que cumprem 20 horas semanais. Cada profissional, entretanto, terá uma carga horária mínima de 10 horas semanais.

 

As equipes de atenção básica deverão ainda ser credenciadas pelos gestores municipais no ministério e não poderão custar mais que uma equipe de saúde da família. A prioridade de financiamento ainda é para as equipes de saúde da família, que custam ao governo federal entre R$ 7,1 mil e R$ 10,6 mil. Segundo o ministério, 38% da população não é coberta por equipe de saúde da família.

 

Segundo o ministério, como não haverá obrigatoriedade da equipe ter agentes comunitários de saúde na equipe de atenção básica, para não haver prejuízo à população que mais precisa, as áreas de risco e vulnerabilidade não sofrerão com a mudança da nova política. Nesses locais, o número de agentes comunitários deve ser suficiente para cobrir 100% da população, sendo um agente para cada 750 pessoas, considerando critérios epidemiológicos e socioeconômicos.

 

Hoje, o país conta com mais de 42,2 mil UBS (Unidades Básicas de Saúde), que solucionam cerca de 80% dos problemas de saúde da população, diminuindo a busca por atendimentos na rede de urgência e emergência.

 

Outras mudanças

 

Entre as novidades, está a possibilidade de agentes comunitários de endemia comporem as equipes com os de saúde, integrando as ações de vigilância em saúde com atenção básica. Outra mudança é a incorporação de novas atribuições para os agentes comunitários de saúde, que poderão, por exemplo, aferir pressão arterial e glicemia da população.

 

O ministro Ricardo Barros informou que 180 mil agentes de saúde serão qualificados para realizar ações comuns nos domicílios que receberem a visita. Segundo o ministério, a mudança permite atendimento integral nas comunidades, dobrando a produtividade das equipes, ajustadas às condições de saúde de cada região. Atualmente, existem 66 mil agentes comunitários de endemia e 263,1 mil de saúde no país.

 

A medida ainda vai ampliar o número de equipes que recebem assistência dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Atualmente, esses núcleos apoiam somente as equipes de saúde da família. Com a revisão, tais núcleos passarão a apoiar outras equipes da atenção básica nas unidades básicas de saúde. Hoje, existem mais de 4,6 mil Núcleos de Apoio à Saúde da Família em atuação.

 

Com a nova política, todas as unidades básicas passarão a oferecer um conjunto de serviços essenciais para a saúde da população. Hoje, nem todas as unidades ofertam serviços como pré-natal, acompanhamento de hipertensos e diabéticos, procedimentos cirúrgicos de pequena complexidade e aplicação de vacinas, entre outros. Agora, esses serviços deverão ser ofertados aos cidadãos em todas as unidades do país.

 

Com a revisão, cada unidade de saúde também poderá receber a indicação de um gerente. De acordo com a pasta da Saúde, atualmente, na maioria das vezes, os profissionais de enfermagem têm se responsabilizados pelas ações de gerenciamento nas unidades básicas. A nova medida possibilita que os enfermeiros dediquem-se somente à assistência aos usuários. Caso a unidade tenha só um enfermeiro, outro profissional pode ser o gerente.

 

A nova política estabelece ainda que todas as unidades usem o prontuário eletrônico. Segundo o ministério, até o fim do ano que vem, o prontuário eletrônico será implantado em toda a rede. Com a informatização, a população poderá ser atendida em qualquer unidade de saúde, o que também será permitido, de acordo com as novas diretrizes. Atualmente, o acompanhamento do usuário é vinculado a seu endereço residencial.

 

O processo de revisão e aperfeiçoamento da Política Nacional de Atenção Básica está em andamento desde 2015. A minuta da portaria esteve em consulta pública durante 10 dias e recebeu mais de 6,2 mil contribuições, a grande maioria de trabalhadores da saúde, mas também de usuários, gestores e pesquisadores.

 

A Comissão Intergestores Tripartite é instância de articulação e pactuação da direção nacional do SUS, composta pelo Ministério da Saúde e pelos conselhos nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).


Fonte - Agência Brasil

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
07/06/2018 - 10:53  Doença de Pompe: pouco conhecida e muito perigosa
07/06/2018 - 10:47  Estado tem 15 mortes por gripe e 505 casos sob investigação
25/05/2018 - 12:07  Prefeitura de Dois Irmãos do Buriti realiza ‘Audiência Publica do Fundo Municipal de Saúde’.
18/05/2018 - 09:31  Sobe para 10 número de mortes por gripe em Mato Grosso do Sul
10/05/2018 - 15:07  Em cinco meses, mortes por gripe superam total do ano passado
10/05/2018 - 12:43  Estado já imunizou 10% do público-alvo contra a gripe
24/04/2018 - 10:53  Trabalhador rural morre de influenza em Aquidauana
24/04/2018 - 09:36  Estado tem três mortes sob análise e 11 casos confirmados de gripe
23/04/2018 - 12:39  Campanha de vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira .
17/04/2018 - 09:38  Desenvolvido o primeiro medicamento com potencial para curar diabetes tipo 1
16/04/2018 - 09:05  Entenda os diferentes tipos de vírus da gripe que circulam pelo Brasil
13/04/2018 - 10:59  MS tem meta de vacinar 663 mil durante “ Campanha Nacional contra Influenza”
03/04/2018 - 11:15  Após MS ser 4º do país, número de doações de órgãos volta a cair
23/03/2018 - 13:01  Mato Grosso do Sul tem primeira morte por gripe confirmada neste ano
15/03/2018 - 08:50  Metade dos adolescentes de MS precisam se vacinar contra o HPV
15/03/2018 - 08:43  Governo pretende zerar fila de cirurgias eletivas com Caravana
08/03/2018 - 14:51  Secretária de Saúde de Dois Irmãos do Buriti promove dia especial para Mulher.
02/03/2018 - 09:53  Prefeitura de Dois Irmãos do Buriti realizara “Campanha de Saúde Visual.
07/02/2018 - 10:32  Sobe para 98 o número de mortes por febre amarela no País
05/02/2018 - 07:46  Urina de cor alaranjada é sinal de alarme: entenda o que pode ser e procure o médico
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE