PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 31 de Outubro de 2017 - 10:26
Desemprego recua para 12,4% em setembro, a menor taxa do ano



 
 
O desemprego ficou em 12,4% no trimestre encerrado em setembro - a menor taxa do ano, segundo dados da Pnad Contínua, divulgados nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em relação ao trimestre anterior, de abril a junho, quando o índice ficou em 13%, a queda foi de 0,6 ponto percentual. Já na comparação com o mesmo trimestre de 2016, quando a taxa chegou a 11,8%, houve alta, também de 0,6 ponto percentual.

Taxa de desocupação no trimestre

Índice (em %) é o menor do ano
13,713,713,613,613,313,3131312,812,812,612,612,412,4Jan-Fev-MarFev-Mar-AbrMar-Abr-MaiAbr-Mai-JunMai-Jun-JulJun-Jul-AgoJul-Ago-Set02,557,51012,515
Fonte: IBGE

“O mercado de trabalho não está estático. Ele está se movimentando. Ainda não podemos dizer se essa movimentação é favorável ou não favorável. A gente tem um ponto favorável que é o aumento da ocupação, o aumento da massa de rendimento, mas no lado negativo temos a informalidade crescendo acima da população ocupada e você não vê movimentação alguma na carteira de trabalho”, disse Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Em setembro, a população desocupada foi registrada entre 13 milhões de pessoas. O número representa uma queda de 3,9% em relação ao trimestre anterior. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior, o número de desocupados subiu 7,8%.

A maior queda partiu dos trabalhadores das áreas de agricultura e (menos 400 mil pessoas) e construção (menos 268 mil pessoas).

Com a queda do desemprego, a população ocupada aumentou e chegou a 91,3 milhões, uma alta de 1,2% em relação ao trimestre anterior e de 1,6% sobre 2016. Mesmo assim, o número de empregados com carteira de trabalho assinada ficou estável em 33,3 milhões na comparação com o trimestre de abril a junho. Já na comparação com o mesmo período do ano passado, o número caiu 2,4%, ou seja, cerca de 800 mil pessoas perderam o registro na carteira.

Cimar alertou para possíveis impactos que a redução de postos de carteira de trabalho pode provocar na economia. "Carteira de trabalho assinada é garantia para a concessão de crédito, por exemplo."

“O que tem elevado a taxa de ocupação é o emprego sem carteira e é o trabalhador por conta própria, que indicam a informalidade. Ou seja, é positiva a queda da desocupação, mas ela se dá pela criação de postos de trabalho com menor qualidade”, afirmou Azeredo.

Segundo os grupamentos de atividade, aumentou o número de ocupados nos ramos de alojamento e alimentação (mais 175 mil pessoas), informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (mais 241 mil pessoas) e administração pública (mais 249 mil pessoas).

Conta própria

Apesar dessa leve queda do desemprego, o número de trabalhadores por conta própria segue aumentando. No trimestre de julho a setembro, esse grupo chegou a 22,9 milhões: um crescimento de 1,8% sobre o trimestre anterior e de quase 5% em relação a 2016.

A quantidade de empregadores, 4,2 milhões, ficou praticamente igual em relação aos trimestres anteriores. A categoria dos trabalhadores domésticos também não teve alteração e foi estimada em 6,2 milhões de pessoas.

Rendimento

O rendimento médio de quem está empregado ficou estabilizado em R$ 2.115 tanto em relação ao trimestre anterior quanto ao mesmo período do ano passado. Em relação ao trimestre de julho a setembro de 2016, a renda entre os trabalhores de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura cresceu aproximadamente 8%.

Destaques da Pnad de setembro:

O desemprego ficou em 12,4% no trimestre encerrado em setembro; o país tinha 13 milhões de desempregados, uma queda de 3,9% em relação ao trimestre anterior. Houve aumento de 7,8% frente ao mesmo trimestre de 2016.

No trimestre terminado em setembro, o Brasil tinha 91,3 milhões de pessoas ocupadas. Na comparação com maio deste ano, 1,1 milhão de pessoas a mais estavam ocupadas (1,2%). Em relação a setembro do ano passado, o contingente aumentou em 1,5 milhão de pessoas (1,6%).

Em relação à carteira de trabalho assinada, em setembro o contingente de trabalhadores nesta condição seguiu no menor patamar da série histórica da pesquisa, 33,3 milhões.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
07/12/2017 - 15:39  Por que os juros bancários para o consumidor caem menos que a Selic?
07/12/2017 - 09:51  Indicador de emprego tem maior nível da série e indica tendência favorável, diz FGV
07/12/2017 - 09:40  Petrobras vai mudar regra que reajusta preço do gás de cozinha
04/12/2017 - 11:34  Vendas de fim de ano devem ter aumento de 4% em Mato Grosso do Sul
04/12/2017 - 10:42  Mercado sobe para 0,89% previsão de alta do PIB em 2017 e vê inflação menor
04/12/2017 - 10:18  Reforma da Previdência estadual começa a valer no dia primeiro de maio
04/12/2017 - 10:09  Programa que incentiva produção de bovinos precoces supera expectativas
30/11/2017 - 09:06  Desemprego fica em 12,2% e tem a maior taxa da série para outubro
27/11/2017 - 08:57  Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 2017 e 2018
27/11/2017 - 08:26  Crise faz disparar número de microempreendedores no Estado
21/11/2017 - 10:31  Banco Mundial sobre o Brasil: gastos além da conta, ineficientes e socialmente injustos
21/11/2017 - 07:21  Abertura de empresas reage e avança 6,9% este ano no Estado
21/11/2017 - 07:08  MS registra saldo positivo de empregos no mês de outubro
17/11/2017 - 10:18  Com agronegócio, MS garante melhor resultado do PIB no País
16/11/2017 - 13:16  PIB de MS cai 0,3% em 2015, mas é o melhor resultado do país, aponta IBGE
16/11/2017 - 09:27  MS amplia capacidade de abates em mil cabeças/dia
06/11/2017 - 10:07  Aumento de 4,5% no gás de cozinha já está valendo.
31/10/2017 - 10:28  Mensalidades escolares devem ter reajuste de 5% a 10% em 2018
25/10/2017 - 07:41  Preço médio da gasolina recua, mas o do gás de cozinha dispara em MS
25/10/2017 - 07:30  Aumento de 42,8% na taxa de energia deve ser maior para o consumidor de MS
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE