PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 09 de Janeiro de 2018 - 08:54
TST: mudanças da lei trabalhista valem apenas em novos contratos



 
 

TST: mudanças da lei trabalhista valem apenas em novos contratos

 
 

Uma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir do dia 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes. Em parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após o dia 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado “preposto”: só vale nas ações ajuizadas após 11 de novembro.

Composta por três ministros, a Comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquirido dos atuais empregados” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros – dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante como em alguns casos do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, não obriga as demais instâncias a adotar o entendimento. O mundo jurídico, porém, encara uma súmula como um posicionamento sedimentado e que, por isso, influencia parte dos juízes.

O entendimento proposto pelo TST é oposto ao defendido pelo governo. Procurado, o Ministério do Trabalho reafirmou que a reforma vale para todos os contratos e cita como argumento a Medida Provisória 808. Assinado em novembro, o texto afirma que a reforma “se aplica, na integralidade, aos contratos de trabalho vigentes”. “Ou seja, vale tanto para os novos contratos quanto para os que já estavam vigentes”, defende o Ministério.

Empregadores também criticaram o entendimento. A gerente executiva de relações do trabalho da CNI, Sylvia Lorena, avalia que o texto “não parece no caminho do princípio da própria lei”. “Seria mais adequado verificar quais súmulas não estão em consonância com a lei e cancelá-las”, diz.

Já os sindicalistas defenderam o documento. O representante escolhido pela Força Sindical para participar da sessão do TST, o advogado César Augusto de Mello, diz que o texto mostra que o Tribunal “abraçou a reforma, mas a partir do início da vigência”. “A proposta delimita o alcance da reforma e deixa claro que quem tinha o direito não perderá”, diz.

O presidente da comissão de direito empresarial do trabalho da OAB/SP, Horário Conde, diz que o texto pode ser uma correção de rumo após o debate considerado “rápido e simplista” no Congresso. Diante da atual formação do TST, Conde avalia que a aprovação dos textos parece ser o caminho mais provável. “Haverá resistência para tudo que retirar direitos.”

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
20/07/2018 - 16:38  Prefeito busca liberação de CTC no INSS.
20/07/2018 - 11:05  Planos de saúde perdem 64,3 mil usuários em Mato Grosso do Sul
19/07/2018 - 14:17  Corte de recursos compromete combate ao tráfico na fronteira
19/07/2018 - 14:09  Falta de segurança na fronteira afeta metade dos município de MS
18/07/2018 - 11:53  Publicação de contas da APAEDIB.
18/07/2018 - 11:17  'Doutor Bumbum': Portal dos Procurados oferece recompensa por informações
18/07/2018 - 10:48  Mandela 100 anos: mundo relembra um dos maiores líderes do século 20
17/07/2018 - 16:45  Comarca de Dois Irmãos do Buriti seleciona estagiários de Direito.
17/07/2018 - 10:53  Lei estadual estende até 2019 os mandatos de diretores de escolas
17/07/2018 - 10:41  Projeto Rondon completa uma semana em Dois Irmãos do Buriti.
17/07/2018 - 10:24  Área rural puxa setor e transações imobiliárias movimentam R$ 2,8 bilhões
17/07/2018 - 10:21  INSS impõe serviços via internet e usuários reclamam de falhas
17/07/2018 - 10:04  Ipê-Amarelo é escolhido como árvore símbolo de Mato Grosso do Sul
13/06/2018 - 12:15   Temer libera saque de PIS-Pasep para cotistas de todas as idades
11/06/2018 - 16:59  Plano de Desenvolvimento da Costa Leste é lançado por lideranças da região
11/06/2018 - 15:53  Alcoólicos Anônimos completa 83 anos no mundo
11/06/2018 - 15:50  Assembleia decreta luto por morte de PM executado na Guaicurus
11/06/2018 - 15:36  Dois Irmãos do Buriti recebe maquinários para agricultura familiar.
11/06/2018 - 10:48  Prefeitura de Dois Irmãos do Buriti abre inscrições para Programa Mais Alfabetização.
11/06/2018 - 10:25  Liberdade de imprensa é tema de seminário no STF
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE