PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 25 de Janeiro de 2018 - 10:00
Empresários devem refinanciar dívidas com a União antes do dia 31



 
 

Empresários de micro e pequenas empresas que possuem débitos tributários devem procurar a Receita Federal até o dia 31 de janeiro para parcelar as dívidas e permanecerem no Simples Nacional, enquanto o veto ao Refis para os pequenos negócios não é derrubado em Brasília. O alerta é do presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Desde o dia 15 de janeiro o hotsite www.refisparaospequenos.com.br oferece informações, orientações e registra o apoio à derrubada do veto ao projeto de recuperação fiscal para as empresas de micro e pequeno porte.

O movimento trabalha também na orientação às empresas que possuem débitos com a União e foram notificadas pela Receita Federal. Elas devem regularizar a situação até o final do mês, parcelando as dívidas na regra atual (em até 60 meses), para não serem excluídas do Simples.

“Estamos trabalhando neste alerta aos empresários, mas sabemos que é impossível quitarem as dívidas no modelo atual. Por isso, também reforçamos o apoio à derrubada do veto para depois eles possam migrar para o parcelamento mais favorável”, alertou o presidente da Fenacon (Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis), Valdir Pietrobon.

Já o presidente do Sebrae ressaltou que em função da disposição do governo em aplicar os benefícios do parcelamento aos pequenos negócios, o Congresso deverá derrubar o veto logo no retorno do recesso, em fevereiro.

“De qualquer forma, as empresas têm até o dia 31 de janeiro para solicitar o refinanciamento nas condições antigas, que não são tão favoráveis, mas deve ser feito para que não sejam eliminadas do Simples”, alertou. “E precisam aguardar o mês de fevereiro, quando o Congresso deverá derrubar esse veto. Com isso, as empresas poderão migrar para uma condição mais favorável de parcelamento e continuar no regime”.

Com foco em todas as empresas do Simples, o Refis beneficiaria especialmente com condições mais favoráveis cerca de 600 mil empresas, que devem aproximadamente R$ 20 bilhões à União e foram notificadas pela Receita Federal. Caso não negociem o parcelamento até o fim de janeiro, nas condições atuais, elas serão excluídas do Simples Nacional. Por meio do Refis, o parcelamento das dívidas poderá ser feito em até 180 vezes, com redução expressiva de juros e multas.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
22/02/2018 - 13:00  Estado contabiliza 445 firmas abertas no mês, alta de 4,2%0
19/02/2018 - 10:29  'Prévia' do PIB do Banco Central indica que economia brasileira cresceu 1,04% em 2017
09/02/2018 - 09:56  Se a inflação caiu, por que o gás de cozinha e a gasolina subiram tanto?
08/02/2018 - 10:00  BID negocia US$ 47,7 milhões em linha de crédito para Mato Grosso do Sul
07/02/2018 - 08:47  Preço do botijão de gás cai 6% em Campo Grande
06/02/2018 - 09:56  Preço alto reduz em 30% venda de combustível em MS
05/02/2018 - 10:54  Petrobras anuncia 3ª alta consecutiva para preço da gasolina na refinaria
30/01/2018 - 10:17  Preço médio da gasolina nos postos aumenta pela 13ª semana seguida
29/01/2018 - 07:28  Estado se prepara para nova supersafra de soja
24/01/2018 - 11:00  Setor em alerta com queda de 12% nas exportações de frango
22/01/2018 - 10:21  Estado muda regras para aumentar a arrecadação
22/01/2018 - 10:15  FGV prevê crescimento de 0,5 ponto no Índice de Confiança da Indústria
17/01/2018 - 12:00  Pré-custeio da safra 2018/19 deve chegar a R$ 12 bilhões
17/01/2018 - 11:00  Setor de mineração reage e movimenta R$ 1 bilhão em MS
15/01/2018 - 10:00  'Prévia' do PIB do Banco Central registra crescimento de 0,49% em novembro
15/01/2018 - 09:46  Setor de caminhões reage em 2017, mas fábricas operam com 25% da capacidade
15/01/2018 - 08:50  MS mira em estrangeiros para viabilizar fábrica de celulose
12/01/2018 - 10:00  MS renegociou R$ 3,6 bilhões em dívidas com União e BNDES
12/01/2018 - 09:26  Venda de materiais de construção aumenta 5% no Estado
11/01/2018 - 13:27  Sem correção, defasagem da tabela do IR sobe para 88,4%
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE