PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 08 de Fevereiro de 2018 - 09:59
Governo quer atender demanda de etanol com álcool de milho



 
 

 
 

Otimistas com a implantação do programa RenovaBio, representantes da agroindústrias estão se organizando para atender o aumento na demanda do etanol, utilizando a produção de álcool feito de milho que tem uma vantagem importante sobre o produto obtido da cana-de-açúcar: a capacidade de repor a produção com mais agilidade em razão da rapidez produtiva do grão.


A afirmação foi feita pelo diretor da União Nacional do Etanol de Milho (UNEM), Ricardo Tomczyk que argumentou:

"Não há canaviais disponíveis no Brasil atualmente (para aumentar a produção). Uma empresa leva cerca de quatro anos para formar um novo canavial pronto para produção", disse o representante e acrescentou que no caso do etanol de milho seria necessária a construção de uma nova unidade, o que leva em torno de um ano e meio.

O programa Renovabio foi idealizado pelo governo federal e lançado em 2016 pelo Ministério de Minas e Energia, com objetivo de expandir a produção de biocombustíveis no Brasil, baseada na previsibilidade, na sustentabilidade ambiental, econômica e social, e compatível com o crescimento do mercado.

DESENVOLVIMENTO NACIONAL

As vendas de etanol estão aumentando no Brasil à medida que sua vantagem de preço sobre a gasolina cresce e o produto concorre diretamente com a gasolina em carros flex, registrando avanço de 33% em novembro, se comparado ao ano anterior (2017/2016). A expectativa do governo é de que a partir do funcionamento do Renovabio (previsto para 2020) a demanda por etanol seja duplicada até 2030. 

Quase todo o etanol produzido no Brasil vem do processamento de cana-de-açúcar, mas algumas unidades à base de milho iniciaram operações recentemente e outras são esperadas, afirmou Tomczyk, em especial no Mato Grosso, maior produtor nacional do cereal. 

"Mato Grosso deve produzir cerca de 3 bilhões a 4 bilhões de litros de etanol de milho por ano em cinco anos, de 400 milhões de litros atualmente", disse Tomczyk, que já foi diretor da associação de produtores Aprosoja.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
22/02/2018 - 15:06  Dia seguinte a cheia do Rio Aquidauana é de limpeza e avaliação dos prejuízos
22/02/2018 - 14:43  DESCASO - Cabo de empresa de telefonia está caído a mais de uma semana e sem reparos.
22/02/2018 - 12:00  Comissão aprova renegociação de dívidas do Funrural para abril0
22/02/2018 - 11:47  Sindicato dos Jornalistas condena ações de Reinaldo contra O Jacaré e defende liberdade de imprensa
22/02/2018 - 11:07  Rio Aquidauana desce mais de 1 metro e saldo é de 153 pessoas desabrigadas
22/02/2018 - 10:55  Anatel começa a bloquear celulares piratas nesta quinta-feira
22/02/2018 - 10:22  Prefeitura de Dois Irmãos do Buriti abre inscrições para Banda Municipal.
22/02/2018 - 09:38  Veja o que você precisa saber hoje
22/02/2018 - 09:31  PIS começa a ser pago hoje para 133 mil trabalhadores no Estado
19/02/2018 - 14:00  Procuradoria abre investigação sobre controle de TV por Romero Jucá
19/02/2018 - 13:00  O que acontece se a Reforma da Previdência não passar?
19/02/2018 - 12:00  Transporte de cargas pela hidrovia aumentou 37,6%
19/02/2018 - 11:17  STF julgará esta semana prisão domiciliar para detentas grávidas
19/02/2018 - 10:58  Governo quer CNH gratuita para pessoas de baixa renda
19/02/2018 - 10:45  General interventor usará dados de inteligência para fazer ampla mudança nos cargos das ...
19/02/2018 - 10:18  Rebelião na Baixada Fluminense termina com três presos feridos e 18 reféns liberados
19/02/2018 - 10:00  Inscrições para o financiamento estudantil em universidades pagas começam hoje
19/02/2018 - 09:56  Agenda do dia: veja o que você precisa saber hoje
19/02/2018 - 09:50  Em 2017, Mato Grosso do Sul contratou 3.712 aprendizes
19/02/2018 - 09:41  Prazo para regularização de granjas vai até 3 de março
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE