PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 12 de Abril de 2018 - 10:22
Vendas do varejo caem 0,2% em fevereiro, aponta IBGE



 
 

Super e hipermercados puxaram queda do varejo em fevereiro, após terem garantido alta do setor no mês anterior, segundo o IBGE. (Foto: Reprodução/TV Integração)

 
 

As vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,2% em fevereiro na comparação com janeiro (com ajuste sazonal). Apesar do recuo, o setor acumula alta de 2,8% em 12 meses, mantendo uma trajetória de recuperação. É o que aponta a Pesquisa Mensal de Comércio divulgada nesta quinta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Na comparação com fevereiro de 2017 (sem ajuste), o volume de vendas do comércio avançou 1,3%, a 11ª alta seguida nesta base de comparação. Com isso, o varejo acumula alta de 2,3% no ano.

 

O principal impacto negatico nas vendas do varejo na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o IBGE, foi do setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que recuou -0,6%. A queda compensou o avanço que o setor havia registrado no mês anterior, que foi de 2,3%.

 

Os outros recuos siginificativos foram dos setores de Tecidos, vestuário e calçados (-1,7%) e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,8%). Ambos também havian avançado na passagem de dezembro para janeiro: respectivamente 0,8% e 7,3%.

 

Tiveram aumento nas vendas na comparação com janeiro os setores de Móveis e eletrodomésticos (1,5%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,8%); Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (2,7%) e Livros, jornais, revistas e papelarias (1,6%).

 

Veja o resultado das vendas do varejo por segmento em fevereiro:

·                   supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,6%)

·                   tecidos, vestuário e calçados (-1,7%)

·                   artigos de uso pessoal e doméstico (-0,8%)

·                   combustíveis e lubrificantes (-1,4%).

·                   Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (2,7%)

·                   Livros, jornais, revistas e papelarias (1,6%)

·                   Móveis e eletrodomésticos (1,5%)

·                   Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,8%)

Trajetória de recuperação

A gerente da pesquisa, Isabella Nunes, enfatizou que apesar da queda na passagem de janeiro para fevereiro, o comércio varejista mantém trajetória de recuperação. O indicador que aponta para este cenário, segundo a pesquisadora, é o do acumulado em 12 meses.

"Sinaliza uma recuperação iniciada em outubro de 2016 em praticamente todas atividades”, afirmou. Isabella acrescentou que, entre as atividades, super e hipermercados é o que tem o maior impacto nesta recuperação.

Ainda segundo a pesquisadora, a comparação com o volume de vendas do varejo em fevereiro do ano passado também reforça a recuperação do comércio brasileiro. O crescimento de 1,3% completa um ciclo de 11 taxas positivas consecutivas nesta base de comparação. Ela ponderou, no entanto, que esta foi a mais baixa deste período. Em setembro, a alta chegou a 6,2%.

 

“Isso acontece porque temos uma recuperação do mercado de trabalho apoiada em ocupações informais, com menores rendimentos e benefícios limitados. Isso acaba influenciando o comércio também”, ressaltou Isabella ao comentar a perda de ritmo desta recuperação.

 

Ainda em relação ao menor ritmo na comparação com fevereiro de 2017, Isabella destacou que os impactos negativos foram dos setores de combustíveis e lubrificantes, livros, jornais, revistas e papelaria e tecidos, vestuário e calçados.

 

“Dentre eles, o combustível teve o principal impacto negativo pois o aumento de preços vem inibindo o consumo”, acrescentou a pesquisadora.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
16/01/2019 - 08:30  Soja rende mais de R$ 12 bilhões para produtores do Estado
14/01/2019 - 15:09  Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
14/01/2019 - 08:25  Com “ameaça” de Guedes ao Sistema S, cooperativas defendem instituições
11/01/2019 - 11:06  O bilionário negócio do cigarro eletrônico toma conta
11/01/2019 - 08:16  Setor reage e exportações de carne bovina superam R$ 2 bilhões
10/01/2019 - 08:24  MS tem 12 cidades entre as 100 mais ricas do agronegócio
09/01/2019 - 14:23  Endividamento das famílias cai em dezembro, revela pesquisa
08/01/2019 - 08:47  Produção industrial sobe 0,1% em novembro ante outubro, aponta IBGE
08/01/2019 - 08:21  MS mantém crescimento econômico e pode superar índice de 2014
08/01/2019 - 08:11  MS exportou R$ 5,8 bilhões em 2018; soja e celulose se destacam
07/01/2019 - 09:24  Dólar recua e chega a operar abaixo de R$ 3,70
07/01/2019 - 09:07  Janeiro é mês de muitas despesas, saiba como economizar
04/01/2019 - 10:47  Petrobras reduz pelo 2º dia seguido preço da gasolina nas refinarias
04/01/2019 - 10:44  Lei Kandir pode render repasse de R$ 1,95 bilhão a estados e municípios
04/01/2019 - 08:50  Pedidos de falência nas empresas mais que dobram em 2018
03/01/2019 - 10:05  Secretário da Receita quer Imposto de Renda mais alto para ricos
27/12/2018 - 09:42  Brasileiros planejam gastar em média R$ 290 com as festas de Ano Novo, diz SPC
27/12/2018 - 07:56  Governo prorroga prazo para renovar incentivos fiscais em 60 dias
17/12/2018 - 13:55  Contribuintes recebem hoje restituições do último lote do IRPF
13/12/2018 - 09:33  Contribuinte já pode ir até agências fazendárias negociar dívida de ICMS
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE