PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 21 de Setembro de 2018 - 10:31
Prévia da inflação oficial fica em 0,09% em setembro, aponta IBGE



 
 

O índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,09% em setembro, com forte recuo dos preços de alimentos compensando alta da energia elétrica, informou nesta sexta-feira (21) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Segundo o instituto, esta foi a menor taxa para um mês de setembro desde 2006, quando o índice foi de 0,05%. Além disso, foi a menor variação mensal de 2018.

 

A variação acumulada no ano ficou em 3,23%. Já a taxa acumulada nos últimos 12 meses ficou em 4,28%, ligeiramente abaixo dos 4,30% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2017, a taxa foi de 0,11%.

 

Em agosto, foi registrada deflação de 0,09%, segundo mostrou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Com isso, o país registrou inflação negativa pela primeira vez desde junho de 2017.

 

Preços dos alimentos caem

 

O IBGE destacou que dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, apenas Alimentação e Bebidas (-0,41%) registrou queda na taxa na passagem de agosto para setembro. Todavia, a alimentação fora do domicílio registrou alta de 0,12%, abaixo da taxa registrada em agosto, que havia sido de 0,84%.

 Veja as variações dos grupos pesquisados:

·         Alimentação e Bebidas: -0,41%

·         Despesas Pessoais: 0,46%

·         Artigos de Residência: 0,32%

·         Habitação: 0,30%

·         Saúde e Cuidados Pessoais: 0,26%

·         Transportes: 0,21%

·         Educação: 0,10%

·         Comunicação: 0,02%

·         Vestuário: 0,0%

·          

Alta da energia elétrica

Dentre os demais grupos pesquisados, a alta de maior destaque doi no grupo Habitação, que subiu 0,30%. Ela foi pressionada, segundo o IBGE, pelo aumento de 0,34% na energia elétrica - em setembro entrou em vigor a bandeira tarifária vermelha patamar 2, incidindo a cobrança adicional de R$ 0,05 a cada kwh consumido.

 Esta foi a sétima alta consecutiva no custo da energia elétrica. Segundo o IBGE, tanto no ano (13,28%) quanto nos últimos 12 meses (19,01%), a energia elétrica foi o segundo maior impacto no IPCA-15 (0,49 p.p. e 0,67 p.p., respectivamente), ficando atrás apenas da gasolina (0,49 p.p. e 0,73 p.p., respectivamente).

 

A leitura do IPCA-15 de setembro ficou abaixo da média das estimativas obtidas pelo Valor Data com 32 consultorias e instituições financeiras, de 0,17%de aumento. Também ficou no piso das projeções, que iam de 0,09% a 0,27% de alta. Para o acumulado em 12 meses, a previsão era de inflação em 4,36%.

 

Para a economista do Santander, Tatiana Pinheiro, o resultado "reforça a sinalização do Copom que não há efeito significativo de pressões inflacionárias sobre os preços". Entre as surpresas positivas ela cita "vestuário com 0% de inflação e combustíveis ainda em deflação".

 

Meta de inflação

Em meio à recuperação lenta da economia e demanda fraca, a previsão dos analistas do mercado financeiro aponta para uma inflação de 4,09% em 2018, conforme a última pesquisa Focus do Banco Central (BC).

 O percentual esperado continua abaixo da meta de inflação que o Banco Central precisa perseguir neste ano, que é de 4,5%. Como há a "margem de tolerância", a meta será considerada formalmente cumprida caso fique entre 3% e 6%. Para o ano que vem, a meta de inflação é de 4,25%, podendo variar entre 2,75% e 5,75%.

 Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC manteve a taxa básica de juros da economia brasileira estável em 6,50% ao ano pela 4ª vez seguida. Diferentemente dos comunicados anteriores, entretanto, o Banco Central indicou a possibilidade de elevação dos juros caso haja a possibilidade de aumento da inflação "no horizonte relevante para a política monetária".

 Metodologia

 Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 14 de agosto a 13 de setembro e comparados com aqueles vigentes entre 13 de julho e 13 de agosto. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica do levantamento.


Fonte - G1 

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
08/02/2019 - 08:26  Abates de bovinos crescem 3% e vendas rendem R$ 2 bilhões a MS
07/02/2019 - 09:36  Celulose segura balança e MS tem superavit de US$ 163 milhões
04/02/2019 - 09:36  A R$ 3,32, etanol no Estado está 19% mais caro do que média nacional
31/01/2019 - 08:29  Safra de cana terá avanço de 6% este ano no Estado
28/01/2019 - 09:04  Algodão deve render 10% a mais em MS
16/01/2019 - 08:30  Soja rende mais de R$ 12 bilhões para produtores do Estado
14/01/2019 - 15:09  Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
14/01/2019 - 08:25  Com “ameaça” de Guedes ao Sistema S, cooperativas defendem instituições
11/01/2019 - 11:06  O bilionário negócio do cigarro eletrônico toma conta
11/01/2019 - 08:16  Setor reage e exportações de carne bovina superam R$ 2 bilhões
10/01/2019 - 08:24  MS tem 12 cidades entre as 100 mais ricas do agronegócio
09/01/2019 - 14:23  Endividamento das famílias cai em dezembro, revela pesquisa
08/01/2019 - 08:47  Produção industrial sobe 0,1% em novembro ante outubro, aponta IBGE
08/01/2019 - 08:21  MS mantém crescimento econômico e pode superar índice de 2014
08/01/2019 - 08:11  MS exportou R$ 5,8 bilhões em 2018; soja e celulose se destacam
07/01/2019 - 09:24  Dólar recua e chega a operar abaixo de R$ 3,70
07/01/2019 - 09:07  Janeiro é mês de muitas despesas, saiba como economizar
04/01/2019 - 10:47  Petrobras reduz pelo 2º dia seguido preço da gasolina nas refinarias
04/01/2019 - 10:44  Lei Kandir pode render repasse de R$ 1,95 bilhão a estados e municípios
04/01/2019 - 08:50  Pedidos de falência nas empresas mais que dobram em 2018
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE