PUBLICIDADE
Mundo
Noticia de: 10 de Dezembro de 2018 - 09:17
Países aprovam criação de novo acordo de migração da ONU



 
 

Um novo acordo mundial para a migração idealizado pela ONU foi confirmado nesta segunda-feira (10) pela maioria dos países que fazem parte da organização, apesar de dezenas de nações terem se recusado a participar.

A aprovação do texto ocorreu em uma conferência em Marrakech, no Marrocos, e foi feita por aclamação.

A ONU não anunciou nem o número exato nem quais países apoiaram o documento, mas a agência de notícias Associated Press afirmou que foram 164.

O Pacto Global para a Migração das Nações Unidas foi finalizado em julho, com apoio quase unânime entre os 193 países da ONU -inicialmente apenas os Estados Unidos ficaram de fora.

Nos meses seguintes, porém, diversos governos desistiram de participar do acordo, afirmando que ele poderia incentivar a imigração ilegal e ameaçava a soberania nacional. O mais recente foi o Chile, que anunciou no domingo (9) sua retirada. 

Em novembro, o governo da Áustria, que detém a presidência da União Europeia, também já tinha afirmado que iria se retirar, dizendo que o acordo poderia obscurecer a linha entre migração legal e ilegal. A Austrália também disse que não assinaria o acordo de migração porque ele comprometeria sua política de imigração e colocaria em risco a segurança nacional.

Segundo a agência de notícias AFP, ao menos 15 países, a maioria europeus, se recusaram a participar do acordo. 

Em uma resposta a esses países, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou na abertura do encontro no Marrocos que pretende combater as "mentiras e mitos" que envolvem o acordo. "Não devemos sucumbir ao medo", disse ele. 

Pelas estimativas da ONU, há mais de 258 milhões de imigrantes no mundo, e esse número deve continuar crescendo nos próximos anos. Desde 2000, pelo menos 60 mil deles morreram na tentativa de entrar em outro país.

De acordo com o secretário-geral, o acordo não permitirá que a ONU imponha políticas de migração aos Estados e não é legalmente vinculante. Para entrar em vigor, o pacto ainda precisa ser ratificado pela Assembleia Geral da ONU, o que está previsto para ocorrer no próximo dia 19.

 

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
13/08/2019 - 11:35  EUA recuam de tarifa extra de 10% sobre 'alguns produtos' importados da China
16/05/2019 - 11:36  Missão espacial chinesa desvenda segredos do lado oculto da Lua
17/01/2019 - 14:42  Mexicano que esfaqueou cachorro em bar é encontrado morto com mais de 50 facadas
17/01/2019 - 14:01  Explosão de carro em escola da polícia deixa mortos na Colômbia
03/01/2019 - 07:56  Pela primeira vez na história, sonda chinesa pousa no lado oculto da Lua
06/12/2018 - 09:28  Emissões globais de CO2 crescem e atingem maior alta da história, diz estudo
26/11/2018 - 13:56  Seis mulheres morrem a cada hora em todo o mundo vítimas de feminicídio por conhecidos, diz ONU
09/10/2018 - 09:59  Quase um bilhão de meninas e jovens não têm acesso ao ensino de habilidades para as profissões ...
02/10/2018 - 10:03  Pesquisas com laser levam o Nobel de Física de 2018
01/10/2018 - 14:47  Cantor Charles Aznavour morre aos 94 em Paris
18/07/2018 - 11:04  Os dias na caverna da Tailândia: leia relato dos 12 garotos e do técnico
06/06/2018 - 09:50  Vulcão de Fogo deixa 75 mortos e 192 desaparecidos na Guatemala
21/05/2018 - 11:06  Grupo de Lima condena eleição na Venezuela e diz que países convocarão embaixadores
21/05/2018 - 10:11  Pelo menos 19 mil caminhoneiros de MS param em protesto ao preço do diesel
18/05/2018 - 13:01  Tiros são disparados em escola no Texas; há entre 8 e 10 mortos, segundo o xerife
16/05/2018 - 09:16  Papa expressa preocupação com 'espiral de violência' no Oriente Médio
14/05/2018 - 12:26  Al Qaeda convoca guerra contra EUA por embaixada em Jerusalém
14/05/2018 - 09:41  Doze palestinos são mortos na Faixa de Gaza em confronto com soldados israelenses
08/05/2018 - 12:24  Anastácio comemora 53 anos com desfile, visita do governador Reinaldo Azambuja e muita festa
02/05/2018 - 13:00  Site divulga carta que anuncia fim do grupo separatista ETA
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE