PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 07 de Fevereiro de 2019 - 09:30
Com recurso milionário, saúde indígena em MS é uma das piores



 
 

MS é o 2° estado do Brasil em casos de desassistência - Foto: Arquivo / Correio do Estado

 
 

Mesmo com repasses milionários à saúde indígena, Mato Grosso do Sul é o segundo estado do Brasil em casos de desassistência na área. Além de acolher boa parte da população indígena, o município de Dourados é o responsável por abrigar a sede da Missão Evangélica Caiuá, detentora de convênio com 19 dos 34 distritos sanitários indígenas (Dseis), ligados ao Ministério da Saúde, no País. 

Apenas no ano passado, a entidade recebeu mais de meio bilhão em recursos federais, sendo R$ 49,6 milhões para o Estado.

Os dados de 2017 do relatório de Violência contra os Povos Indígenas no Brasil, do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), registraram 46 casos de desassistência na saúde indígena. Com Rondônia e Santa Catarina, Mato Grosso do Sul foi o segundo estado com mais casos deste tipo. Foram cinco registros no período de doze meses. Um caso a menos do que o estado líder de desassistência na área, o Acre.


Os indígenas da etnia Guarani-Kaiowá são as principais vítimas dos casos que envolvem desnutrição de crianças, desvio de dinheiro público, falta de medicamentos, ausência de veículos para transporte de pacientes, sucateamento da frota já existente, fornecimento de alimentos estragados, fila de espera de mais de um ano para realização de exames e falta de acesso à água potável. 

OPINIÃO

Representante do Conselho Terena de Mato Grosso do Sul e coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apip), Lindomar Terena afirma que o foco na atenção básica, por meio dos Dseis, não é mais suficiente para atender às demandas envolvendo a saúde indígena. “Há tempos, apenas esse atendimento primário dava conta, no entanto, nas nossas comunidades indígenas, tem gente vindo a óbito por doenças que a comunidade nunca viu e que exigem atendimento de média e alta complexidade”. Os indígenas querem debater com o novo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mudanças na gestão dos recursos destinados à saúde indígena. 

* Correio do Estado.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
21/03/2019 - 12:21  Força-tarefa da Lava Jato prende Michel Temer
21/03/2019 - 11:18  Outono começa com período chuvoso e frente fria em Mato Grosso do Sul
21/03/2019 - 10:58  Ministra de MS cai nas graças de Trump durante negociações
20/03/2019 - 12:55  Operação identifica líderes de facção que tinham 12 policiais como alvo
20/03/2019 - 11:45   Enchente aumenta na fronteira e homem desaparece no Rio Paraguai
20/03/2019 - 11:28  Homem é preso por estuprar e engravidar menina de 11 anos
20/03/2019 - 11:18  A cada 60 minutos, uma criança ou adolescente morre por arma de fogo
20/03/2019 - 10:49  CUIDADO: Boneca Momo aparece em vídeos de slime para crianças com desafios de suicídio
20/03/2019 - 10:19  STJ mantém efeitos de liminar que revogou prisão de Puccinelli
19/03/2019 - 11:36  Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
19/03/2019 - 10:33  Brasil e EUA assinam acordo que permite uso comercial de Alcântara
19/03/2019 - 10:11  Obra do Reviva pode ter aditivo milionário
18/03/2019 - 15:46  MS dobrará exportações de produtos por hidrovia
18/03/2019 - 15:44  PDV pode ser encaminhado amanhã para Assembleia
18/03/2019 - 12:31  Eder Aguiar, Presidente Vereador da Câmara Municipal, visita o Secretário da AGRAER.
18/03/2019 - 10:35  Mais de 80% dos turistas aprovam atrativos, gastronomia e segurança pública de MS
18/03/2019 - 10:32  Pedreiro persegue mulher, a derruba e a mata com machadinha
18/03/2019 - 10:13  Mulher, marido e filha morrem em acidente de trânsito na BR-060
18/03/2019 - 10:02  Em duas décadas, lagos do Amor e de parque podem desaparecer
16/03/2019 - 16:50  Ex-coordenador Funai e Ex-Ministro entrega veículo para CTL de Sidrolandia.
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE