PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 17 de Abril de 2019 - 10:02
Sucateamento do Incra atrapalha fiscalização de lotes irregulares



 
 

Instituto tem 25 servidores para vistoriar 31 mil lotes no Estado

 
 

Órgão federal responsável pela reforma agrária no País, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) apresenta estrutura sucateada em Mato Grosso do Sul. No prédio, nem telefone funciona, em razão da falta de pagamento. Além disso, com 31 mil lotes distribuídos entre 27 mil famílias e 204 assentamentos – que ocupam uma área total de 716.105 hectares –, o instituto tem apenas 25 servidores no Estado para fazer as vistorias no campo. 

A fiscalização prejudicada abre margem para irregularidades. Caso recente de abandono foi registrado em Corumbá, onde 11 lotes foram deixados para trás no Projeto de Assentamento Tamarineiro II Sul. 

O caso está sendo investigado em inquérito civil do MPMS, que também apura suposta intenção de venda das terras por parte dos beneficiários e morosidade do Incra em tomar providências quanto à situação.

Conforme portaria publicada no Diário Oficial do órgão, a investigação aponta que os lotes estão irregulares e que, apesar de ter sido informado da situação e vistoriado o local em junho de 2017, o Incra não tomou nenhuma providência e as terras continuam abandonadas. 

O Instituto prepara um pente-fino nos assentamentos. O objetivo é identificar lotes vazios e ocupações irregulares. Em Mato Grosso do Sul, a medida inclui 31.995 lotes, dos quais 8 mil devem ser reassentados.

Segundo o superintendente, para tentar agilizar a fiscalização, diante da falta de estrutura, foi firmado um termo de execução com universidades, em que o Incra adotou um sistema on-line, que está em fase de testes. “É um sistema chamado Radis, que nos permite otimizar o tempo das vistorias. Então, eu consigo fazer 30 lotes em um dia com a mesma equipe que fazia 10 lotes. E esse sistema gera um relatório on-line, o que também facilita o trabalho”, explicou. 

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
20/05/2019 - 12:44  Atraso salarial causa paralisação na saúde
20/05/2019 - 12:20  Azambuja defende ampliação de financiamento para aquisição de suínos
20/05/2019 - 12:18  Guarda municipal é preso com armamento avaliado em quase R$ 1 mi
20/05/2019 - 11:45  Inflação das carnes sobe 6,33% e pesa no bolso do consumidor
20/05/2019 - 11:44  Adolescentes são apreendidos por cultivar pé de maconha em quintal
20/05/2019 - 10:54  Semana começa com oito concursos abertos e salários de R$ 8,8 mil em MS
20/05/2019 - 09:53  Mulher é presa em Dois Irmãos do Buriti com maconha misturada com erva de tereré
20/05/2019 - 09:47  Motorista de aplicativo atende a falsa corrida e acaba roubado
20/05/2019 - 09:42  Policiais prendem motorista que ofereceu propina para não ser multado
20/05/2019 - 09:38  Irritado com choro de bebê, homem espanca esposa durante a madrugada
20/05/2019 - 09:36  Trânsito mata 53% menos em 2019 em Mato Grosso do Sul, diz Detran
20/05/2019 - 09:23  Travesti é encontrada morta com sinais de violência em frente a terminal
20/05/2019 - 09:20  Mega-Sena acumula e deverá pagar R$ 12 milhões no próximo sorteio
20/05/2019 - 09:11  Governo anunciará novos bloqueios no Orçamento na quarta
20/05/2019 - 09:07  Homem joga copo no rosto da namorada, dá socos, chutes e tenta enforcá-la em Aquidauana
20/05/2019 - 08:55  OMC começa a discutir regras internacionais para comércio eletrônico
20/05/2019 - 08:53  Troca de tiros termina com criminoso morto e policial ferido
20/05/2019 - 08:52  Garras e Choque apreendem arsenal em residência do Monte Líbano
17/05/2019 - 15:41  Edital do PSD - Partido Social Democrático
17/05/2019 - 12:23  Mulher que pediu ajuda em ônibus diz a polícia que não foi agredida
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE