PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 20 de Maio de 2019 - 08:55
OMC começa a discutir regras internacionais para comércio eletrônico



 
 

 
 

A Organização Mundial do Comércio (OMC) iniciou nesta semana uma rodada de negociações para debater acordos relacionados ao comércio eletrônico. O Brasil participa dos debates.

O tema já vem sendo tratado há pelo menos duas décadas na organização, mas agora as nações querem avaliar a necessidade de acordos para lidar com os novos desafios de uma economia cada vez mais digitalizada.

Entre os temas em debate estão regras para trocas de dados entre empresas e prestadores de serviço de países diferentes, a tributação de serviços e bens transacionados entre distintas nações e formas de assegurar os direitos do consumidor em situações como na compra de bens e serviços em países distintos do seu.

A OMC já tinha um programa de trabalho sobre o tópico. Na reunião ministerial de Buenos Aires, em dezembro de 2017, foi definido o início de “discussões exploratórias” sobre o assunto. Durante o Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, 76 países decidiram avançar as discussões rumo a uma rodada de negociações, processo de maior força institucional.

Propostas

Nesta primeira etapa das negociações, países apresentam suas propostas. Segundo o chefe da Divisão de Promoção de Serviços do Itamaraty, George de Oliveira Marques, os países não devem avançar em uma definição de comércio eletrônico, mas trazer propostas específicas para atender aos seus interesses.

Os Estados Unidos, exemplifica, estão mais preocupados em definir regras para serviços prestados por meio eletrônico e para produtos digitais, como filmes, softwares e impressores 3D. Um dos objetivos seria tratar os produtos digitais de forma semelhante aos bens de comércio "normal", evitando a criação de exigências e tarifas adicionais. O país é sede das maiores empresas de tecnologia do mundo, como Apple, Microsoft, Amazon, Google e Facebook.

Já a China estaria mais focada no estabelecimento de normativas para o comércio de bens por plataformas de comércio eletrônico, como roupas, calçados e equipamentos eletrônicos. Lá estão grandes conglomerados do setor, como Alibaba e JD.com.

De acordo com George Marques, as transações de bens e serviços já são cobertas por acordos sobre esses dois tipos de atividade econômica. Mas o vácuo a ser avaliado seriam os novos negócios baseados em dados, como os de plataformas digitais.

“O que existe de novo e não está coberto é a questão de dados, informação. Hoje o que interessa a empresas de internet como Google, Facebook e Amazon é poder acessar informação de outros países, armazenar e processar para vender serviços ou bens”, disse o chefe da divisão de Serviços do Itamaraty.

Ele disse à Agência Brasil que o Brasil busca nas negociações um “equilíbrio entre regras comerciais e salvaguardas de questões regulatórias”. No tema de defesa contra ataques cibernéticos, por exemplo, os países precisam de gestão sobre suas redes para evitar ataques ou poder se proteger. Ele citou um caso em um grande evento esportivo em que o Brasil identificou um ataque e cortou as comunicações com o país de onde este estava vindo.

Outro tema de interesse da representação brasileira são direitos do consumidor. “Com o comércio eletrônico, o consumidor está num país e o prestador em outro território. Se o consumidor está se sentindo lesado, qual legislação vai valer?”, questiona Marques. Segundo ele, a preocupação é que valham padrões mínimos, como troca de produto defeituoso e fornecimento de informações com clareza sobre condições de pagamento.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
25/06/2019 - 09:09  Polícia aplicou 434 multas durante operação no feriado de Corpus Christi
25/06/2019 - 09:08  Em fase difícil da vida, pedagoga desapega e doa cabelo para quem luta contra o câncer
25/06/2019 - 09:05  Bebê de sete meses morre e pais são presos por maus tratos em Campo Grande
25/06/2019 - 09:04  Brasil e Reino Unido vão ter cooperação em saúde pública
25/06/2019 - 09:03  Captação de leite cai em relação ao ano passado e preço tem alta de 9%
25/06/2019 - 09:01  Atuação das polícias e investimentos públicos reduzem criminalidade em 16,78% no Estado
25/06/2019 - 08:54  Em maior apreensão do ano, PRF descobre mais de 7 toneladas de maconha em carga de milho
25/06/2019 - 08:53  Resposta rápida da polícia foi fundamental para prisão de delegado
25/06/2019 - 08:46  Delegado de Aquidauana é preso suspeito de envolvimento em sumiço de cocaína
24/06/2019 - 11:55  Delegado titular é preso após sumiço de 100 kg de cocaína; 9 já foram detidos
24/06/2019 - 11:53  Enquanto se discute a água, flutuação lidera visitas em Bonito
24/06/2019 - 11:52  Rombo da previdência estadual aumentará 50% no próximo ano
24/06/2019 - 11:51  Sabia que você ouve com o cérebro e não com os ouvidos?
24/06/2019 - 11:08  1° Campanha do Agasalho no Distrito de Palmeiras
24/06/2019 - 10:08  Traficante foge por milharal e abandona meia tonelada de maconha
24/06/2019 - 10:05  Trump diz que pode começar "grande deportação" em duas semanas
24/06/2019 - 09:59  Baleado pelo pai, jovem foge da Santa Casa com bala alojada no peito
24/06/2019 - 09:56  Jogos de hoje definem adversário do Brasil nas quartas de final
24/06/2019 - 09:48  Produção de Brangus comercial se consolida entre pecuaristas de MS
24/06/2019 - 09:45  Advogado defendeu esfaqueador de Bolsonaro de graça
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE