PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 22 de Maio de 2019 - 10:54
Governo paga 144% mais que iniciativa privada



 
 

Um abismo separa os salários pagos pela iniciativa privada e pelo setor público em Mato Grosso do Sul. A média salarial do trabalhador brasileiro é de R$ 1.960,00, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domícilios (Pnad) Contínua, do IBGE, mas os servidores ativos do governo do Estado ganham, em média, R$ 4.791,26 – uma diferença de 144,45%.

Enquanto na iniciativa privada, o alto índice de desemprego e a falta de estabilidade achatou os salários, servidores públicos passaram praticamente imunes pela crise. Para o economista-chefe da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, Normann Kalmus, a explicação para a discrepância entre os valores pagos pelos governos federal, estaduais e municipais em relação à iniciativa privada está no mercado financeiro, na alta carga tributária e nas dificuldades impostas aos empregadores. 

“O setor privado quer pagar bem, mas precisa se manter e produzir de forma eficaz e ainda pagar imposto. Toda a estrutura trabalhista gera dificuldade. Criam-se direitos para o trabalhador que quem paga é o consumidor. A iniciativa privada tem que se ajustar ao mercado, demitir quando as vendas caem, e o governo não tem a mesma obrigação”, afirma Kalmus.

Ele defende uma flexibilização da relação com os servidores e que os governos busquem os mecanismos legais para reduzir a folha de pagamento, inclusive, demitindo quem não está produzindo e acabando com “privilégios” do setor público. “O setor público ainda oferece uma série de benefícios, que, no meu entendimento, são privilégios. Tem anuênios, quinquênios e progressões, enquanto antiguidade não é custo na empresa privada”, prossegue o economista.

Kalmus destacou ainda que os governos se tornaram grandes empregadores e hoje encontram dificuldades para negociar com os servidores. “Médico e professor são duas categorias que precisam ser vistas com lupas. Eles acabam se valendo da imagem pública para pressionar o governo”. 

Os professores da Rede Estadual de Ensino acumularam reajuste de 72% em quatro anos, contra uma inflação de 23,66%. Um professor com nível superior tinha salário inicial de R$ 3.534,00 para 40 horas semanais, em dezembro de 2014, mas hoje recebe R$ 6.079,00 – uma diferença de R$ 2.545,00. O valor é muito acima do piso nacional para 40 horas, de R$ 2.557,73. 

Apesar de a Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems) trabalhar durante as negociações salariais com uma tabela que leva em consideração o salário de professores de nível médio para 20 horas semanais, essa é uma categoria praticamente extinta. 

Seguindo a Lei de Diretrizes Básicas (Lei 9.394), de 1996, a Secretaria de Estado de Educação conta com 99% dos professores contratados e convocados da Rede Estadual de Ensino com nível superior. Em alguns casos, os salários podem passar de R$ 10 mil por 40 horas semanais.

Nas escolas particulares, não há plano de cargos e carreiras nem uma regra estabelecendo tempo para planejamento das aulas. O piso do professor do nível médio é de R$ 2.950,00 para 20 horas semanais, segundo a presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul, Maria da Glória Paim.

“Não temos um regramento sobre hora-atividade. Algumas escolas destinam um tempo, mas o professor tem que estar na escola porque não teria como saber se ele realmente está planejando as aulas”, conclui Maria da Glória.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
25/06/2019 - 09:09  Polícia aplicou 434 multas durante operação no feriado de Corpus Christi
25/06/2019 - 09:08  Em fase difícil da vida, pedagoga desapega e doa cabelo para quem luta contra o câncer
25/06/2019 - 09:05  Bebê de sete meses morre e pais são presos por maus tratos em Campo Grande
25/06/2019 - 09:04  Brasil e Reino Unido vão ter cooperação em saúde pública
25/06/2019 - 09:03  Captação de leite cai em relação ao ano passado e preço tem alta de 9%
25/06/2019 - 09:01  Atuação das polícias e investimentos públicos reduzem criminalidade em 16,78% no Estado
25/06/2019 - 08:54  Em maior apreensão do ano, PRF descobre mais de 7 toneladas de maconha em carga de milho
25/06/2019 - 08:53  Resposta rápida da polícia foi fundamental para prisão de delegado
25/06/2019 - 08:46  Delegado de Aquidauana é preso suspeito de envolvimento em sumiço de cocaína
24/06/2019 - 11:55  Delegado titular é preso após sumiço de 100 kg de cocaína; 9 já foram detidos
24/06/2019 - 11:53  Enquanto se discute a água, flutuação lidera visitas em Bonito
24/06/2019 - 11:52  Rombo da previdência estadual aumentará 50% no próximo ano
24/06/2019 - 11:51  Sabia que você ouve com o cérebro e não com os ouvidos?
24/06/2019 - 11:08  1° Campanha do Agasalho no Distrito de Palmeiras
24/06/2019 - 10:08  Traficante foge por milharal e abandona meia tonelada de maconha
24/06/2019 - 10:05  Trump diz que pode começar "grande deportação" em duas semanas
24/06/2019 - 09:59  Baleado pelo pai, jovem foge da Santa Casa com bala alojada no peito
24/06/2019 - 09:56  Jogos de hoje definem adversário do Brasil nas quartas de final
24/06/2019 - 09:48  Produção de Brangus comercial se consolida entre pecuaristas de MS
24/06/2019 - 09:45  Advogado defendeu esfaqueador de Bolsonaro de graça
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE