PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 11 de Julho de 2019 - 11:18
Crime: queimar lixo em terreno baldio pode gerar multa e acabar em prisão



 
 

O clima seco não é propício apenas para causar problemas de saúde, mas também para aumentar o número de incêndios em vegetação. Mas, o que muitos não sabem é que seja por vandalismo, ou até mesmo quem ajunta o lixo no quintal e coloca fogo, também pode ser um risco e acabar em prisão.

Nessa época do ano a umidade baixa, podendo chegar aos 30% em Aquidauana, o fato de atear fogo em vegetação, o risco das chamas se alastrarem e perder o controle é muito grande por conta do tempo seco. 

Em Aquidauana, a população reclama de alguns pontos em específico, como é o caso do Jardim Aeroporto, em que moradores jogam lixo, há focos de incêndios todos os dias. O que causa prejuízos também à saúde, como é o caso de problemas respiratórios, ainda mais que sempre há crianças no local.

Conforme informações do Corpo de Bombeiros, as causas para o aumento de incêndios são as mais variadas, e vão desde vandalismo, quando alguém coloca fogo de propósito, até proprietários que colocam fogo no lixo no quintal de casa.

A causa mais frequente nos focos de incêndio em vegetação tem sido o amontoado de lixo e   madeira e o ato incendiário por atuação humana, ou seja, de pessoas que utilizam a ação do fogo para a limpeza de terrenos e pastagens.

Porém em todos os casos, a prática é crime e o autor pode ser preso, conforme Lei Federal Nº 9.605/98, que diz que qualquer atividade que cause poluição ao meio ambiente e danos à saúde humana, como queimadas em lixo, matas e lotes vagos, se configuram como crime ambiental. 

Denúncias: As denúncias para quem está provocando queimada urbana devem ser feitas para a Polícia Militar Ambiental, através do telefone (67) 3904-2070. O Corpo de Bombeiros também deve ser acionado para combater as chamas pelo 193.

 

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
23/07/2019 - 15:32  PF abre Operação Apagão contra fraude de R$ 26 mi em financiamentos da Caixa
23/07/2019 - 15:31  Na Bahia, Bolsonaro promete não deixar mais obras paradas no País
23/07/2019 - 15:24  Homem é preso por se masturbar em construção e importunar vizinhos
23/07/2019 - 15:13   Homem abre cova no quintal e é preso ao ameaçar enterrar ex-mulher e a mãe dela
23/07/2019 - 15:07  Avó e neto morrem em grave acidente entre S10 e caminhão na 262
23/07/2019 - 15:07  Delcídio não consegue reverter pena e terá que prestar serviços sociais
23/07/2019 - 12:09  Dólar sobe com exterior à espera de corte ameno de juro nos EUA
23/07/2019 - 12:03  MS tem 6 mulheres a cada 10 inscritos no Enem 2019, aponta Inep
23/07/2019 - 12:00  Adolescente morre com cabeça presa em janela ao tentar furtar mercado em MS
23/07/2019 - 12:00  The Fevers, Marcos e Belutti são atrações do Festival do Sobá 2019
23/07/2019 - 11:29  Prévia da inflação fica em 0,09% em julho, diz IBGE
23/07/2019 - 11:11  Detento é encontrado enforcado em cela onde ficam presos do PCC
23/07/2019 - 10:51  Delcídio do Amaral começa prestação de serviços do acordo de delação em 7 dias
23/07/2019 - 10:44  Acabou a festa: PMR apreende 3,4 mil garrafas de cerveja e pinga irregulares
23/07/2019 - 10:11  Bioceânica: pavimentação do Chaco Paraguaio é uma realidade e deverá ser concluída em 2022
23/07/2019 - 10:09  Homem agride ex-mulher grávida e leva botijão de gás da casa dela
23/07/2019 - 10:05  Número de estagiários cresce 13% em MS no primeiro semestre de 2019
23/07/2019 - 09:59  Funcionária de banco suspeita de envolvimento em assaltos é presa
23/07/2019 - 09:57  "Olheiro" do crime organizado morre em confronto com o DOF
23/07/2019 - 09:50  Estúdio fotográfico é condenado por faltar em aniversário de crianças
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE