PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 10 de Julho de 2017 - 11:54
Instituição Fiscal Independente vê estouro da meta fiscal do governo neste ano



 
 

O governo não deverá cumprir a meta fiscal de um déficit primário (despesas maiores do que receitas, sem contar juros da dívida) de até R$ 139 bilhões fixada para este ano, segundo relatório de acompanhamento divulgado nesta segunda-feira (10) pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado Federal.

Para a IFI, a previsão é de um rombo de R$ 144,1 bilhões nas contas do governo nesse ano. Nessa estimativa, o órgão estima que haverá, em 2017, o ingresso de R$ 13 bilhões com o processo de repatriação (valores que serão divididos com os estados e municípios), R$ 15,5 bilhões com o novo Refis, R$ 24 bilhões com concessões e R$ 8,9 bilhões com a venda do IRB Resseguros, da Caixa Seguridade e da BR Distribuidora. O valor não considera, porém, os R$ 8,6 bilhões em receitas de precatórios.

Porém, de acordo com Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente, há uma "incerteza" importante dessa receita de venda de ativos (Caixa Seguridade, IRB e BR Distribuidora). Por isso, ele segue prevendo o descumprimento da meta do governo em 2017. "Estamos caminhando para a segunda metade do ano e ainda não houve nada importante", avaliou ele, comentando a venda prevista dos ativos do governo.

Segundo Salto, porém, os estados poderão "salvar" as contas públicas. Ele estimou que os estados deverão registrar um superávit primário de R$ 1,2 bilhão em 2017 e, com isso, as contas de todo o setor público consolidado (União, estados, municípios e estatais) deverão, em sua análise, apresentar um déficit primário de R$ 142,9 bilhões - abaixo da meta fiscal de até R$ 143,1 bilhões definida para todo este ano.

A Instituição Fiscal Independente projetou, também, que a meta de déficit primário do ano que vem, de até R$ 129 bilhões para as contas do governo, também não será cumprida. A estimativa é de um rombo nas contas do governo de R$ 166,2 bilhões no próximo ano.

"O ano de 2017 é o menor dos problemas. Há uma redução da carga tributária e aumento de despesas obrigatórias. Para combater isso, vai precisar atacar duas frentes: as despesas discricionárias (passíveis de cortes) e também as obrigatórias (como Previdência Social e gastos com a folha de pagamentos. Não vai adiantar receitas atípicas", declarou Felipe Salto.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
20/09/2017 - 11:45  Arrecadação federal reage e sobe 10,7% em agosto, para R$ 104,2 bilhões
18/09/2017 - 09:21  Preço da arroba mantém crescimento na primeira quinzena de setembro
14/09/2017 - 10:06  Começa pagamento do calendário PIS-Pasep 2017-2018 para nascidos em setembro
14/09/2017 - 09:49  Comer carne está mais barato que comprar ovos, aponta pesquisa
14/09/2017 - 09:25  Telefone, luz, bancos e água lideram lista de reclamações
14/09/2017 - 09:24  'Prévia' do PIB do Banco Central registra alta de 0,41% em julho
13/09/2017 - 11:36  Setor de serviços cai 0,8% em julho, primeira queda desde março
11/09/2017 - 11:30  Florestas vão atingir 1,5 milhão de hectares em MS.
11/09/2017 - 11:15  Mato Grosso do Sul tem alta equilibrada entre receitas e despesas.
06/09/2017 - 09:37  Cesta básica recua 7,09%, maior índice entre capitais do País
05/09/2017 - 10:15  Produção industrial cresce 2,5%, melhor mês de julho desde 2014
29/08/2017 - 10:47  Projeções apontam para PIB perto de zero no 2º trimestre de 2017
28/08/2017 - 09:33  Colheita da cana avança, mas rendimento cresce pouco.
25/08/2017 - 11:49  Aposentados e pensionistas começam a receber primeira parcela do décimo terceiro
25/08/2017 - 11:45  Pauta fiscal de combustível recua no dia 1º de setembro no Estado
23/08/2017 - 11:17  Prévia da inflação oficial fica em 0,35% em agosto e tem o menor acumulado no ano desde 1994
23/08/2017 - 11:10  Governo federal deve liberar saques de cerca de R$ 16 bi do PIS/Pasep para idosos
23/08/2017 - 11:01  Exportações de aves em Mato Grosso do Sul cresceram 27,7%
14/08/2017 - 10:23  MS pode se firmar como maior produtor de celulose do País
11/08/2017 - 10:22  Planejamento propõe déficit de R$ 159 bilhões para 2017 e 2018
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE