PUBLICIDADE
Mundo
Noticia de: 09 de Outubro de 2018 - 09:59
Quase um bilhão de meninas e jovens não têm acesso ao ensino de habilidades para as profissões do futuro, diz estudo



 
 

Meninas aprendem programação em curso da USP de São Carlos: segundo o Fundo Malala, aptidões como essa serão necessárias no mercado de trabalho do futuro, mas 955 milhões de meninas e mulheres jovens ainda não têm acesso a elas — Foto: ICMC-USP/Divulgação

 
 

Um relatório divulgado nesta quarta-feira (9) pelo Fundo Malala aponta que 955,6 milhões de meninas e mulheres de até 24 anos atualmente não têm acesso ao ensino e desenvolvimento de habilidades consideradas fundamentais para o mercado de trabalho do futuro.

  Farah Mohamed, CEO do Fundo Malala, afirmou que deixar de preparar a geração atual de meninas e jovens pode deixá-las vulneráveis a situações laborais precárias no futuro.

Entre as habilidades estão tanto os conhecimentos tecnológicos quanto a capacidade de resolver problemas, que Mohamed diz serem "aptidões necessárias para ter sucesso em um mercado de trabalho que muda rapidamente".

 Segundo o relatório "Força total: por que o mundo funciona melhor quando as meninas vão à escola", elas podem ser distribuídas em quatro níveis:


1.   Habilidades digitais básicas: Acessar e interagir com tecnologias digitais, como saber se conectar à internet, criar contas e perfis, acessar recursos e informação, ajustar as configurações e gerenciar arquivos


2.   Habilidades digitais genéricas: Usar as tecnologias digitais de maneiras significativas e benéficas; por exemplo: criar conteúdo, se comunicar digitalmente e ter consciência sobre direitos e segurança digitais

3.    

4.   Habilidades do século 21: São as habilidades que vão além da alfabetização e dos conhecimentos numéricos básicos, como comunicação, colaboração, resolução de problemas, criatividade e pensamento crítico

5.    

6.   Habilidades de alto nível: Usar a tencologia digital de forma empoderadora e transformadora, como desenvolver aplicativos, gerenciar redes, programação, análise e processamento de dados

7.    

"Vários estudos mostram que dar 12 anos de educação para meninas teria consequências que mudariam o mundo. Não tomar medidas e permitir que mulheres e meninas permaneçam sem educação e desempregadas desperdiça seu potencial e impede o progresso econômico global e o desenvolvimento sustentável", afirmou a CEO do fundo.

O documento recomenda aos líderes do G20, o grupo de países mais ricos do mundo, uma linha de ação para reverter o problema. Segundo Mohamed, isso inclui "aumentar os orçamentos internos para a educação em países em desenvolvimento, aumentar as contribuições de doadores e lançar uma nova iniciativa para dar às meninas as habilidades de que elas precisam para competir com outros trabalhadores".


Problema é pior nos países mais pobres

O relatório usou como base uma análise de informações feita pelo Instituto de Estudos do Desenvolvimento (IDS), do Reino Unido, que cruzou dados oficiais sobre as matrículas de meninas na educação formal e informações da ITU, a agência das Nações Unidas sobre tecnologias de informação e comunicação para estimar o número, que representa 65% da população mundial feminina com até 24 anos.

 

Mas o relatório também comparou quantas meninas e mulheres jovens estão nessa situação em quatro grupos de países: os de renda baixa, de renda média-baixa, de renda média-alta e de renda alta.

 

Os números mostram que, quanto mais pobre é o país, maior a porcentagem de mulheres jovens que, atualmente, não estão sendo preparadas para cumprirem as exigências do mercado de trabalho dos próximos anos:

 

Exclusão, exploração e desigualdade

Criado pela ativista paquistanesa Malala Yousafzai depois que ela sobreviveu a um atentado promovido pelo Talibã, o Fundo Malala fomenta iniciativas de inclusão de meninas nas escolas.

 Em entrevista por e-mail concedida ao G1, Farah Mohamed, a CEO da organização, afirmou que "a educação formal deve ser capaz de equipar as meninas com as aptidões necessárias no século 21 para conseguir empregos que ainda não existem" e que, "se as meninas continuarem a perder oportunidades educacionais, especialmente nos países mais pobres, elas estarão mais propensas a acabar trabalhando e vivendo em condições precárias, inseguras e às vezes exploradoras".

 Ela lembrou que, segundo estimativas da Unesco, nos próximos dois anos 40 milhões de vagas de emprego em todo o mundo não poderão ser preenchidas por falta de trabalhadores qualificados. "Isso significa mais desemprego, mais brechas no mercado de trabalho e crescimento econômico mais lento".

 Para ela, não são apenas as meninas que vão sofrer com esse problema. "Comunidades inteiras, países e o mundo inteiro são afetados quando milhões de meninas não podem ir à escola", afirma Mohamed. Por outro lado, educar as meninas, defende ela, é vantajoso também para toda a comunidade. "Os benefícios disso vão além do futuro das meninas – nosso mundo funcionará melhor quando todas as meninas estiverem aprendendo e ganhando dinheiro de acordo com seu pleno potencial", diz ela.

 

"Em julho, quando estávamos no Brasil, o Fundo Malala e o Banco Mundial publicaram dados que demonstram que, se todas as meninas concluírem o ensino médio, 30 trilhões de dólares seriam adicionados à economia global."

 

Fonte - G1

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
02/10/2018 - 10:03  Pesquisas com laser levam o Nobel de Física de 2018
01/10/2018 - 14:47  Cantor Charles Aznavour morre aos 94 em Paris
18/07/2018 - 11:04  Os dias na caverna da Tailândia: leia relato dos 12 garotos e do técnico
06/06/2018 - 09:50  Vulcão de Fogo deixa 75 mortos e 192 desaparecidos na Guatemala
21/05/2018 - 11:06  Grupo de Lima condena eleição na Venezuela e diz que países convocarão embaixadores
21/05/2018 - 10:11  Pelo menos 19 mil caminhoneiros de MS param em protesto ao preço do diesel
18/05/2018 - 13:01  Tiros são disparados em escola no Texas; há entre 8 e 10 mortos, segundo o xerife
16/05/2018 - 09:16  Papa expressa preocupação com 'espiral de violência' no Oriente Médio
14/05/2018 - 12:26  Al Qaeda convoca guerra contra EUA por embaixada em Jerusalém
14/05/2018 - 09:41  Doze palestinos são mortos na Faixa de Gaza em confronto com soldados israelenses
08/05/2018 - 12:24  Anastácio comemora 53 anos com desfile, visita do governador Reinaldo Azambuja e muita festa
02/05/2018 - 13:00  Site divulga carta que anuncia fim do grupo separatista ETA
27/04/2018 - 11:56  Líderes das Coreias prometem assinar acordo de paz para acabar com guerra ainda neste ano
26/04/2018 - 09:20  Kim Jong-un deve cruzar a fronteira a pé para histórica cúpula intercoreana
17/04/2018 - 09:51  Agenda do dia: veja o que você precisa saber hoje
12/04/2018 - 10:34  Bebê nasce quatro anos após morte dos pais na China
26/03/2018 - 11:01  Trump expulsa 60 russos e encerra consulado nos EUA
20/03/2018 - 12:00  Menino de 9 anos atira e mata irmã por causa de videogame
19/03/2018 - 10:35  Unesco propõe 'solução verde' para melhorar gestão da água no mundo
19/03/2018 - 10:33  Vladimir Putin é reeleito presidente da Rússia e terá mandato até 2024.
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE