PUBLICIDADE
Geral
Noticia de: 12 de Março de 2019 - 11:42
Rompimento em Brumadinho poderia ter sido evitado, afirma MP



 
 

Resultado de imagem para rompimento de barragem em brumadinho


A promotora de Justiça do MPMG (Ministério Público do Estado de Minas Gerais), Paula Ayres Lima, afirmou, nesta segunda-feira (11), que a força tarefa que investiga o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, ocorrido no fim de janeiro, já tem convicção de que a tragédia poderia ter sido evitada.

Em entrevista realizada em Belo Horizonte, ela disse que já há convicção entre os vários órgãos que participam das apurações de que foi um crime doloso, já que havia conhecimento desde 2017 sobre a situação da barragem e nada foi feito.

"Nenhuma providência prática foi tomada. Nem o Plano de Ação Emergencial, que não teria evitado o rompimento, mas teria evitado a catástrofe humana, foi adotado", disse, lembrando que há informações sobre uma tentativa de se resolver o problema, mas que não deu certo e foi abandonada. "Tudo indica que eles teriam que parar a produção e ficou-se sempre buscando uma solução que evitasse parar a operação", completou.

Segundo a promotora, cerca de 18 pessoas estão sendo investigadas, mas a Força-Tarefa não iniciou ainda a tipificação de todos os crimes associados ao rompimento da estrutura. O presidente afastado da companhia, Fábio Schvartsman, também não foi ouvido ainda.

"Essa investigação é um quebra-cabeça de milhões de peças e todas as peças têm se mostrado importantes. Há um conjunto de provas que está permitindo que a gente já faça algumas conclusões", disse, frisando que a tipificação legal pode levar o grupo a apontar crimes contra a fauna, a flora, além das morte

Para a promotora, não se pode atribuir a culpa à empresa. "A Vale é uma pessoa jurídica. O que a gente vê é que os funcionários que lidavam ali no dia a dia, principalmente aqueles que tiveram mandado de busca e apreensão, não fizeram nada", completou. "É mais que omissão isso. É uma omissão muito sabida. Eles tinham consciência que existia um risco", disse.

Procurada, a Vale ainda não se pronunciou sobre o conteúdo da entrevista.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
21/05/2019 - 09:37  MS poderá usar até R$ 500 milhões para obras de infraestrutura
21/05/2019 - 09:36  PF cumpre três mandados de busca e apreensão em aldeia
21/05/2019 - 09:13  Empresários realizam encontro da pesca no Pantanal em apoio a cota zero
21/05/2019 - 09:03  PM tirou de circulação 7 foragidos durante o final de semana em Aquidauana e Anastácio
21/05/2019 - 09:01  PRF apreende 640 quilos de maconha em carro roubado há seis anos
21/05/2019 - 08:59  Enem: candidatos sem isenção têm até quinta-feira para pagar inscrição
21/05/2019 - 08:57  Integrante do PCC vai à júri nesta quinta-feira por esquartejamento
20/05/2019 - 12:44  Atraso salarial causa paralisação na saúde
20/05/2019 - 12:20  Azambuja defende ampliação de financiamento para aquisição de suínos
20/05/2019 - 12:18  Guarda municipal é preso com armamento avaliado em quase R$ 1 mi
20/05/2019 - 11:45  Inflação das carnes sobe 6,33% e pesa no bolso do consumidor
20/05/2019 - 11:44  Adolescentes são apreendidos por cultivar pé de maconha em quintal
20/05/2019 - 10:54  Semana começa com oito concursos abertos e salários de R$ 8,8 mil em MS
20/05/2019 - 09:53  Mulher é presa em Dois Irmãos do Buriti com maconha misturada com erva de tereré
20/05/2019 - 09:47  Motorista de aplicativo atende a falsa corrida e acaba roubado
20/05/2019 - 09:42  Policiais prendem motorista que ofereceu propina para não ser multado
20/05/2019 - 09:38  Irritado com choro de bebê, homem espanca esposa durante a madrugada
20/05/2019 - 09:36  Trânsito mata 53% menos em 2019 em Mato Grosso do Sul, diz Detran
20/05/2019 - 09:23  Travesti é encontrada morta com sinais de violência em frente a terminal
20/05/2019 - 09:20  Mega-Sena acumula e deverá pagar R$ 12 milhões no próximo sorteio
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE