PUBLICIDADE
Economia
Noticia de: 11 de Janeiro de 2018 - 13:27
Sem correção, defasagem da tabela do IR sobe para 88,4%



 
 

Tiago Queiroz/Estadão Faixa de isenção atual vale para quem ganha até R$ 1.903,98, mas se corrigida, subiria para R$ 3.556,56, diz sindicato

 
 

Mesmo com o processo de queda da inflação, a defasagem da tabela de incidência do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) acumula 88,4% desde 1996, segundo o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional). 

        + ESPECIAL: GUIA DO IMPOSTO DE RENDA

Na prática, isso significa que a faixa de isenção do IR atual que vale para quem ganha até R$ 1.903,98, se corrigida, subiria para R$ 3.556,56.

Todo início de ano o sindicato retoma a pressão para que o governo envie ao Congresso Nacional proposta de correção da tabela pela inflação passada. Em 2016 e 2017, a tabela não foi corrigida.

Com a correção da tabela, a faixa de isenção do IRPF aumenta e os demais contribuintes pagam menos imposto. Em dezembro do ano passado, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acenou com a possibilidade de correção da tabela e dos benefícios do programa Bolsa Família.

Com a correção da tabela, o governo perde receita. Já com o reajuste do Bolsa Família o governo aumenta despesa, o que é mais difícil de ser administrado por conta do teto de gasto, instrumento que limita o crescimento das despesas. A perda de receita pode ser administrada com o aumento da arrecadação.

O IPCA fechou 2017 com alta 2,95%. De 1996 até hoje, a tabela foi corrigida em 109,63% enquanto a inflação acumulada no período foi de 294,93%, diz estudo do Sindifisco, divulgado hoje.

"O governo achata a renda do trabalhador. Obriga-o a pagar mais imposto, dinheiro que poderia ser mais bem aplicado - na poupança, no aprimoramento da formação educacional, no consumo etc.", criticou Cláudio Damasceno, presidente do Sindifisco Nacional.

Segundo o Sindifisco, a falta de correção não afeta somente o trabalhador de menor salário, mas todas as demais faixas salariais. "O prejuízo do contribuinte não ficou maior porque o IPCA de 2017 foi um dos mais baixos em quase 20 anos", alertou Damasceno.

principal  |  voltar  |  imprimir

Últimas Noticias

.
16/01/2019 - 08:30  Soja rende mais de R$ 12 bilhões para produtores do Estado
14/01/2019 - 15:09  Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
14/01/2019 - 08:25  Com “ameaça” de Guedes ao Sistema S, cooperativas defendem instituições
11/01/2019 - 11:06  O bilionário negócio do cigarro eletrônico toma conta
11/01/2019 - 08:16  Setor reage e exportações de carne bovina superam R$ 2 bilhões
10/01/2019 - 08:24  MS tem 12 cidades entre as 100 mais ricas do agronegócio
09/01/2019 - 14:23  Endividamento das famílias cai em dezembro, revela pesquisa
08/01/2019 - 08:47  Produção industrial sobe 0,1% em novembro ante outubro, aponta IBGE
08/01/2019 - 08:21  MS mantém crescimento econômico e pode superar índice de 2014
08/01/2019 - 08:11  MS exportou R$ 5,8 bilhões em 2018; soja e celulose se destacam
07/01/2019 - 09:24  Dólar recua e chega a operar abaixo de R$ 3,70
07/01/2019 - 09:07  Janeiro é mês de muitas despesas, saiba como economizar
04/01/2019 - 10:47  Petrobras reduz pelo 2º dia seguido preço da gasolina nas refinarias
04/01/2019 - 10:44  Lei Kandir pode render repasse de R$ 1,95 bilhão a estados e municípios
04/01/2019 - 08:50  Pedidos de falência nas empresas mais que dobram em 2018
03/01/2019 - 10:05  Secretário da Receita quer Imposto de Renda mais alto para ricos
27/12/2018 - 09:42  Brasileiros planejam gastar em média R$ 290 com as festas de Ano Novo, diz SPC
27/12/2018 - 07:56  Governo prorroga prazo para renovar incentivos fiscais em 60 dias
17/12/2018 - 13:55  Contribuintes recebem hoje restituições do último lote do IRPF
13/12/2018 - 09:33  Contribuinte já pode ir até agências fazendárias negociar dívida de ICMS
 
 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE